MML | Media Million Lives
Media Million Lives é uma nova iniciativa da Development Media International. Ela está aumentando os recursos com o intuito de criar uma campanha integrada de rádio, TV e telemóveis para promover comportamentos chave saudáveis em mães e crianças, em dez países Africanos, com o objectivo de salvar um milhão de vidas.
media,radio,television,TV,mobile phones,mHealth,health,mass media,behaviour,behavior,behaviour change,behavior change,C4D,M4D,BCC,IEC,demand,million,lives
521
page-template-default,page,page-id-521,ajax_updown,page_not_loaded,

MEDIA MILLION LIVES

PORQUÊ

 

17.000 crianças morrem todos os dias de causas evitáveis.

Em 2013, uma em cada 11 crianças, na África subsariana, morreram antes de completar cinco anos. Quase dois terços dessas mortes poderiam ter sido evitadas com o aumento da cobertura de simples intervenções de saúde já existentes e acessíveis, tais como: amamentação e lavagem das mãos.

COMO

 

Rádio e TV podem salvar uma em cada cinco crianças.

Campanhas de rádio e TV, que encorajam comportamentos saudáveis em mães e crianças, podem reduzir o número de mortes infantis em até 23%, o que é mais barato do que qualquer outra intervenção. Nós desenhamos e implementamos campanhas que melhoram os resultados de saúde e salvam vidas em África.

O QUÊ

 

Introduzindo Media Million Lives.

Media Million Lives é uma nova iniciativa da Development Media International. Ela está aumentando os recursos com o intuito de criar uma campanha integrada de rádio, TV e telemóveis para promover comportamentos chave saudáveis em mães e crianças, em dez países Africanos, com o objectivo de salvar um milhão de vidas.

 

Pule para a secção: Media | Saúde | Comportamentos | Impacto | Custos | Acção | Contactos

 

Português | English | scholastic art and writing awards 2014 regional winners

MEDIA

Rádio, TV and telemóveis – o uso de TODOS esses aparelhos está crescendo rapidamente em África.

Os telemóveis são comuns em África (49% das pessoas possui um; outros 20% têm acesso a um). Além disso, as audiências de rádio e de TV estão a crescer rapidamente, enquanto os preços dos aparelhos continuam a cair. A flexibilização das leis de media levou a um boom em canais não-estatais (o número de estações de rádio comunitária em África aumentou 1.386% entre 2000 e 2006). A rádio domina nas áreas rurais que estão fora da rede nacional de electricidade. Como resultado, a rádio é a principal fonte de informações para o público rural em África, enquanto a televisão é cada vez mais popular nas cidades. Todos os três meios de comunicação têm um papel importante a desempenhar para atingir o público Africano. Muitas vezes, chegam às mesmas pessoas de maneiras diferentes. Quando em conjunto, eles combinam o alcance nacional, com o conteúdo localmente adaptado e a interactividade de uma forma que nenhum consegue fazer isoladamente.

59%Rádio
20%Televisão
49%Telemóvel
5%Computador

 

Propriedade do agregado familiar em África

Fontes: https://mapleleafclinical.com/ (rádio/televisão/computadores) e GSMA (telemóveis)

SAÚDE

Comportamentos não saudáveis causam muitas mortes evitáveis de crianças.

Duas em cada três dos 6.3 milhões de crianças que morrem todos os anos antes do seu quinto aniversário podem ser salvas aumentando as taxas de cobertura de intervenções simples e já existentes. Estas incluem aleitamento materno, como alimentação exclusiva de crianças com menos de seis meses, redução do risco de malária, ao adoptar o hábito de dormir debaixo de mosquiteiros tratados, dar antibióticos às crianças que têm pneumonia ou sais de reidratação oral (SRO) para os casos de diarreia. No entanto, as taxas de cobertura para estas intervenções em África permanecem baixas. Muitas crianças morrem, simplesmente, porque os seus pais não seguem estes simples passos. Por exemplo, apenas uma em cada três crianças é alimentada exclusivamente com leite materno durante os primeiros seis meses de vida.

33%Amamentação exclusiva
30%Mosquiteiros tratados
37%Antibióticos para pneumonia
28%Reidratação oral para diarreia

 

Cobertura de intervenção em África e Ásia

Fonte: Countdown to 2015 (2012 report)

 

Veja o mapa que mostra as localidades e causas de mortes de crianças

COMPORTAMENTOS

Campanhas efectivas de media mudam comportamentos.

Há forte evidência de que campanhas de TV e rádio convencem famílias a adoptar comportamentos que salvam vidas. Uma campanha de TV, na Índia, por exemplo, mudou a atitude de 172 milhões de pessoas em relação à lepra e ajudou 200 mil pessoas a serem tratadas (veja mais exemplos). Nós também conseguimos registar um impacto directo nos resultados de saúde. Sem o uso de antibióticos, uma campanha de rádio, na Etiópia, reduziu os casos de secreção ocular e a prevalência de tracoma, estimulando, apenas, a lavagem das mãos:

 

 

  • Antes

  • Depois

 

Resultados antes e depois da campanha de rádio na Etiópia

Fontes: Edwards et al, Ophthalmology. 2006 Apr;113(4):548-55, and Tropical Medicine and International Health, Vol.13, no.4 pp556-565, sample size 2008, P-values calculated, ranging from p

Estamos a fazer uma experiência aleatória controlada na África Ocidental para medir directamente o efeito de uma campanha de rádio na sobrevivência infantil.

Nós estamos a fazer uma experiência aleatória controlada de cinco anos, no Burquina Faso, financiada pela Wellcome Trust e Planet Wheeler Foundation. O objectivo é testar a tese de que uma campanha de rádio, focada na saúde infantil, é capaz de reduzir a mortalidade para menores de cinco anos.

A experiência usa estações de rádio para mudar comportamentos, a fim de aumentar a sobrevivência infantil, cobrindo uma variedade de problemas de saúde. É a maior e mais rigorosa análise alguma vez feita de uma intervenção dos meios de comunicação social na saúde. Ela vai produzir fortes provas do impacto das campanhas dos meios de comunicação de massa numa gama de comportamentos, incluindo os relacionados à procura por serviços de saúde e à mortalidade infantil.

A experiência envolve 14 áreas geográficas que foram divididas igualmente e aleatoriamente num grupo de intervenção e de controlo. Mensagens foram transmitidas durante dois anos e meio, em sete áreas geográficas do grupo de intervenção, mas não no grupo de controlo. Nós prevemos que no Burquina Faso, onde 101 mil crianças menores de cinco anos morrem a cada ano, reduzir as mortes nessa faixa etária em até 15.7% ao custo de $8.49 por AVAI.

Um estudo controlado usando rádio geralmente não funcionaria, em razão do risco de pessoas nas áreas “sob controlo” ouvirem estações de rádio das áreas de “intervenção”. No entanto, o Burquina Faso tem um ambiente mediático de rádio muito localizado. Então, nós usamos emissoras locais de rádio FM para transmitir nossas mensagens às áreas de intervenção, sem “contaminação” para as áreas de controlo.

Durante 30 meses nós transmitimos spots de 60 segundos, 10 vezes por dia, no mínimo, em sete estações de rádio (uma em cada zona de intervenção), em seis línguas. Além disso, também transmitimos duas horas por noite, cinco noites por semana, em cada estação. Isso representa um total de 70 horas de rádio em directo por semana.

A análise, coordenada por LSHTM e Centre Muraz, inclui um inquérito inicial sobre a mortalidade de 50 mil crianças menores de 5 anos (durante um período de dois anos), e um inquérito inicial sobre o comportamento de 5 mil famílias, feitos antes do início das transmissões, em Março de 2012. As transmissões terminaram em Janeiro de 2015, e os resultados completos, baseados no inquérito final sobre mortalidade de 100 mil crianças (durante um período de um ano), estarão disponíveis até o final de 2015.

Em Abril de 2014, nós publicámos os resultados intermédios na mudança de comportamento (baseados na pesquisa com 5.000 famílias). Eles mostram que os comportamentos nas zonas de intervenção melhoraram todos (variando entre 9,3% e 25,5%). Quando alterações nas zonas de controlo são subtraídas desses resultados, a ‘diferença na diferença’ é substancial em 6 de 10 casos (8,5% a 23,3%). Esta é a primeira experiência controlada aleatória a demonstrar que a comunicação em massa pode mudar comportamentos. Esperamos que os resultados finais sejam ainda mais fortes.

IMPACTO

Campanhas de rádio e televisão em África podem salvar 1 milhão de vidas.

Trabalhamos com epidemiologistas da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres para desenvolver um modelo matemático que prevê e mede quantas vidas podem ser salvas por campanhas de comunicação de massa. O modelo prevê que uma campanha de emissão múltipla, num país típico da África subsaariana, reduzirá as mortes de crianças em 16-23%, mortes neonatais em 5-21% e mortes maternas em 2-20%. Também é previsto que, executando essas campanhas em cada um de dez países Africanos, durante cinco anos, 1 milhão de vidas serão salvas. A maioria, por meio do aumento da prevenção e tratamento das três principais doenças (malária, diarreia e pneumonia) e do incentivo dado às mulheres para dar à luz numa unidade de saúde.

 

RDC

Vidas salvas por ano

14400

Mali

Vidas salvas por ano

16400

Moçambique

Vidas salvas por ano

14600

Zâmbia

Vidas salvas por ano

11200

 

Vidas salvas por tipo de doença

  • Diarreia

  • Malária

  • Pneumonia

  • Neonatal

Vidas salvas por tipo de doença

  • Diarreia

  • Malária

  • Pneumonia

  • Neonatal

Vidas salvas por tipo de doença

  • Diarreia

  • Malária

  • Pneumonia

  • Neonatal

Vidas salvas por tipo de doença

  • Diarreia

  • Malária

  • Pneumonia

  • Neonatal

 

Fonte: DMI-LSHTM model

 

CUSTOS

Elas são tão rentáveis como as intervenções de saúde mais baratas.

O modelo prevê que as campanhas de comunicação de massa são tão rentáveis ($2-$10 por ano de vida ajustado por incapacitação (AVAI)) como as intervenções de saúde mais baratas que estão disponíveis. Por exemplo, são mais baratas do que as intervenções de mosquiteiros tratados com insecticida ($2-$24) e de vacinas infantis ($1-8).

 

Isso sugere que, em muitas partes de África, campanhas de comunicação de massa são uma das formas mais baratas de salvar vidas. Aliam-se a isto, mensagens de saúde enviadas por telemóveis, que representam uma intervenção barata e rentável.

 

Com $1.000, você pode salvar 42 crianças com mosqueteiros tratados com inseticida:

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Ou você pode salvar 125 crianças com vacinação completa:

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Mas você pode salvar 167 crianças por meio de campanhas de comunicação de massa Saturation+:

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Fontes: DMI analysis e Disease Control Priorities (2ª Edição)

Para alcançar estes resultados, usamos a abordagem  Saturation+.

Mensagens diversas vezes por dia

 

Nossa evidência inicial sugere uma forte correlação entre a frequência e o impacto da mensagem. Transmitimos spots de rádio e TV, no mínimo, três vezes por dia. Isto é particularmente importante quando o público alvo consome informação ao longo do dia em horários regulares. Transmitimos peças diárias de teatro radiofônico, assim como o uso do “conceito de colocação” para introduzir mensagens chave de saúde nos programas populares de TV e rádio existentes.

 

O uso da rede de rádio/TV para atingir o público-alvo

 

Os índices de audiência das redes de TV e de rádio, ao nível nacional, são fracos em muitos países Africanos. Uma modelagem sofisticada é necessária para produzir uma melhor estimativa dos números de audiência, principalmente nas áreas rurais. Uma estratégia que inclui estações comunitárias de rádio vai garantir uma cobertura mais forte no campo, mas, outras redes muitas vezes geram um retorno mais alto do investimento.

O uso da modelagem para maximizar impactos na saúde

 

Nosso modelo matemático prevê o impacto de cada mensagem informativa de cada país na mortalidade maternal e infantil. Na maioria dos países Africanos, uma campanha de rádio/TV sobre múltiplos temas pode reduzir a mortalidade de crianças menores de cinco anos em até 16-23% e a mortalidade maternal em até 2-20%, ao custo de $2-10 por AVAI. Prevemos vidas salvas por doenças, comportamento, mensagem e província. Focando nos comportamentos, que são mais fáceis de mudar, e que também têm o maior impacto nas vidas salvas, nós maximizamos os impactos na saúde.

 

Medir resultados e solidez dos impactos

 

Nós podemos traduzir resultados de mudança de comportamento em impactos na saúde usando o nosso modelo, mas, primeiro, precisamos medir, de forma confiável, os resultados de mudança de comportamento, e atribuí-los às nossas actividades. Desenvolvemos técnicas rigorosas de avaliação quase experimentais, mas que podem ser integradas de maneira viável às campanhas complexas de comunicação. Estas técnicas incluem análises dose-resposta, triangulação das informações da pesquisa com fontes de informação externas, análise de séries cronológicas e áreas de controlo não-aleatórias.

Entenda a audiência usando pesquisa qualitativa

 

Nós precisamos entender os valores e as motivações do nosso público-alvo. Enviamos equipes de pesquisadores para conduzir pesquisa formativa (identificando obstáculos para a mudança de comportamento), para pré-testar saídas claras e atraentes ao público alvo, e realizar pesquisas detalhadas de feedback pós- transmissão (perguntar se, como e por que pessoas que ouviram nossas mensagens mudaram seus comportamentos).

 

Produzir conteúdo que efectivamente muda comportamentos

 

Conteúdo que realmente muda comportamentos deve ser simples, divertido e envolvente, em vez de didáctico. Usamos drama para potencializar o impacto emocional. Dramas curtos, realistas (incluindo spots) funcionam bem se repetidos muitas vezes. Contratamos o melhor talento local, por meio de competições abertas, e usamos um processo editorial e criativo comprovado para produzir ideias e seleccionar o melhor para transmissão.

ACÇÃO

Queremos salvar um milhão de vidas com a realização de campanhas de comunicação de massa para mudar comportamentos em dez países Africanos.

Media Million Lives é uma iniciativa ambiciosa para criar campanhas integradas de rádio, televisão e telemóvel que promoverão comportamentos de saúde materna e infantil chave em dez países africanos, durante cinco anos cada um, com o objectivo de salvar 1 milhão de vidas. Este será um dos programas de mudança de comportamento mais ambiciosos a ser executado em África. Actualmente estamos à procura de parceiros para nos ajudar a ampliar nosso programa globalmente, a fim de alcançar este objectivo, e congratulamo-nos com conversas com ministérios nacionais de saúde, financiadores públicos e privados, e sector privado e ONGs parceiras.

 

 

 

Tome iniciativa

Baixe um PDF em Português, em Inglês ou em Francês

Assista alguns filmes curtos sobre nós

Contate-nos para saber mais ou participe

Media Million Lives apoia as seguintes iniciativas globais de saúde materno-infantil:

 

every_woman_every_child_logo_ok
APromiseRenewed_Logo_EN
Campaign-on-Accelerated-Reduction-of-Maternal-Mortality-in-Africa-CARMMA
CONTACTOS

 

Media Million Lives é uma iniciativa da Development Media International (DMI), que implementa campanhas de TV e rádio para mudar comportamentos e salvar vidas em países em desenvolvimento.
DMI é classificada uma instituição de caridade de destaque pela GiveWell, com base no seu impacto comparado na saúde e na rentabilidade de baixo custo.